5/04/2018

dois



                                      
O amor ... é reconhecido no olhar...o mesmo que guia o outro de volta...


 Carol Freitas


                leva em tua
                voz os dias
                infindáveis as águas
                aliciantes

                há muito minhas
                mãos erram nas
                esquinas

                o caminhar alerta do
                cão a claridade dos
                pinheiros há

                muito meus olhos brilham
                pelos teus

                carrega em
                teus passos as noites
                inumeráveis os
                sons reconfortantes

                a saudade
                que deixas é a
                mesma que traz tua
                mão que conduz minha
                saudade


               

pai




            

                procuro te nas portas
                e janelas das minhas
                manhãs nas noites

                compridas de meus versos
                errantes

                é teu o rosto que envolve
                minhas esquinas
                tortas tuas

                as mãos que suportam
                minha inumerável
                solidão

                procuro te nas ladeiras
                escorregadias de minha
                angústia na ânsia

                de minhas tolas
                certezas

                são teus os olhos
                que brilham em meus
                filhos tuas as

                mãos que sustentam
                nossos passos erguem todas

                nossas
                casas




Poema e foto: Adair Carvalhais Jr

diálogo





                o que vês quando
                me abraças as águas
                escuras que me
                colhem as curvas

                mortas da
                mata a noite
                extrema os gritos nos

                meus ombros quando

                acolhes meus passos
                errantes em teu
                colo os calos

                em sangue nas mãos um
                caminho sem

                ida

                nem

                volta
               

Poema e foto: Adair Carvalhais Jr

5/03/2018

diário

                
                nas horas abomináveis o
                sono estremece entre
                gritos esquiva se das
                manhãs

                mortas

                o corpo escora se
                nos vãos

                perdem se os pés de
                si próprios embrutece a
                pele da
                noite nas

                horas implacáveis as
                mãos se
                enrijecem o

                corpo precipita se

                nas horas abomináveis os
                olhos farejam nas
                esquinas as dores
                adormecidas ignoram

                a vida escondem se
                nas horas

                inexoráveis crescem
                as ruínas das paredes
                silenciosas desfazem se
                as

                ondas azuladas do
                horizonte



angústia




         


pela manhã ausências me
vieram rodearam o
vazio escavaram lentamente
se foram

a tarde me colheu
estéril repleta de
silêncios desfeito em
distâncias

talvez fosse possível
dormir mas a luz
enferma da noite lançou
                      
me contra
mim

hoje ainda não
amanheci