10/02/2018

sentido





                   quando passas dissipas
                   a poeira dos meus
                   olhos claros os

                   dias se
                   movem em

                   mim teus
                   passos caminham desembaraçam

                   as esquinas afugentam meus
                   temores

                   evoco o aconchego de teus
                   cabelos longe pressinto teu
                   cheiro sei

                   que me tocarás quando a
                   noite ocupar
                   a
                   varanda




seca


seca


                   escuto o silêncio envolver
                   minhas veias quieto calo
                   me espero

                   que se detenham as
                   águas mudas que me
                   caminham

                   escuto o silêncio
                   do dia frio distante o
                   sol se
                   recusa quieto

                   espero que se
                   dissipe a poeira
                   silenciosa das janelas

                   árvores nuas
                   resistem pássaros
                   diversos revoam no
                   pasto o capim
                   raleia

                   escasso meu
                   corpo
                   aguarda


Poema e foto: Adair Carvalhais Junior

perdão


      


                não podes tocar as águas
                que me sorvem sentir
                a dor impossível

                ouvir meus
                passos desencontrados

                não me vês
                escondido
                nos cantos

                não podes ouvir
                a agonia
                que me toma impossível

                sentir
                o medo

                não me vês
                encolhido
                sob você
               
                não podes tocar
                meus pés inchados meus
                olhos

                opacos ouvir a angústia impossível
                me
                ver

Adair Carvalhais Junior

existência





            começa o mundo onde
            nossas pernas se
            enlaçam onde se
            desassossegam


                aquece o mundo

                instiga o sangue pelas
                mãos entre
                as línguas no
                limiar ferve

                o sangue

                de cima a
                baixo entre os
                vãos de
                súbito nos
                precipícios

                arde a vida no
                desejo exala
                a aurora dos
                olhos avulta

                a vida

                nas águas pelas
                trilhas entre
                os morros

                entranha
                o
                mundo



Foto: Carol Freitas

7/15/2018

ermo




                teu silêncio arrasta
                minhas vozes sufoca
                as primeiras

                estrelas uma chuva
                fina arrisca
                se

                há dias a noite
                implora

                teu silêncio rói
                meus olhos sujeita
                as primeiras

                auroras poucos
                pássaros magros atrevem
                se

                há dias a dor se
                estende

                surda