7/15/2018

ermo




                teu silêncio arrasta
                minhas vozes sufoca
                as primeiras

                estrelas uma chuva
                fina arrisca
                se

                há dias a noite
                implora

                teu silêncio rói
                meus olhos sujeita
                as primeiras

                auroras poucos
                pássaros magros atrevem
                se

                há dias a dor se
                estende

                surda
                       
               



6/08/2018

ausente






                poucas horas
                de sono

                sol diluído
                na chuva

                dia opaco
                mãos reticentes
                janela embaçada

                dissonâncias espalham se
                pela casa lodo
                recobre os
                tijolos

                nada passa
                pela porta nada
                brilha nas
                paredes

                ontem
                hoje
                amanhã
               

               

perene





                incandesce de
                silêncios o dia dilata se
                morno até onde alcança     
                a vista

                morro após
                morro hora depois
                de hora apura
                se

                prenhe de
                ventanias estende se
                alvoroçado entre os
                pinheiros

                hora depois
                de hora cume após
                cume matura
                se

                lentamente



repouso



                        inerte o corpo procura
                        alívio nas frestas
                        inóspitas da
                        memória


                        toma toda a
                        casa a
escuridão

espera nas janelas
áridas tua
voz arrasta se pelos
cantos

toma toda a
casa o
silêncio

imensa a cama
vazia inalcançável
o
horizonte

mas venta pela
manhã nos
pinheiros latem nossos
meninos cantam nas
árvores os
vizinhos

quando passas pelo
portão






                         



valas






                na imundície luxuosa
                dos becos acumulam
                se corpos
                desprotegidos nus rendidos

                na beira do
                precipício

                sobre os muros rompem
                olhos despedaçados estéril
                a carne podre confunde se
                na lama

                no limite da humanidade

                rostos vísceras misérias

                degradação

                aviltamento

                além muito
                do
                limite