3/06/2013

noturna



                                              


                   passam as horas
                   lentas na chuva
                   que passa
                   na janela

                   exaustas dos dias
                   ardentes

                   passa sua dor
                   silenciosa nos olhos
                   que miram a chuva
                   por trás dos vidros
        
                   alheia pelo que
                   somos

                   silêncio e melancolia



Adair Carvalhais Júnior

3 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Paulo Vasco Pereira disse...

Gostei muito

Adair Carvalhais Júnior disse...

Fico contente com isto, Paulo.

Vote sempre.

abçs