3/15/2005

entrega


dois quartos duas
camas à espreita dos
cheiros dos sonhos de
pedro e
alice

um silêncio manso penetra as
paredes

duas janelas duas cadeiras à
espera dos risos dos
olhares de
pedro e
alice

um abraço vasto roça a
porta



Adair Carvalhais Júnior

6 comentários:

soledade disse...

Uma ternura, a segurança, cheiro de criança adormecida. Respira-se fundo, reconciliado - na casa e no poema. Que bonito, Adair!

Beijos aos meninos. E outro para si.

Amélia disse...

Já comentei algures...Confirmo e subscrevo as palavras da Soledade.Beijo

Adair Carvalhais Júnior disse...

Reconciliado - é esta a palavra, Sol. Com o mundo, com a vida, com o amor, enfim.

Amélia, obrigado pela visita e pelo comentário sempre gentil.

beijos

Adair

virna disse...

dócil, o seu poema
e gostei da foto por e-mail também
um abraço,
virna

julyanna disse...

lindo
como todos os outros que tenho lido !
é tão acolhedor como
um domingo entre amigos !
um abraço!
julyanna

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado Virna e Ju pela visita: gosto que gostem....

Ju, gostei da comparação.

beijos às duas.