2/26/2007

solidão


para Samantha

a cidade entupida de clarões e

estridências insiste em não

dormir aos


poucos invade meu

corpo minhas



horas

frágeis



a cidade imunda e sempre

cheia de coisas muito

pouco importantes usurpa meus



dias e ninguém

mais

meus

poemas

Adair Carvalhais Júnior

3 comentários:

adelaide amorim disse...

Nem os meus... Sabe, descobri uma coisa: poemas a gente faz, não lê. E quando alguém gosta muito de um poema de outra pessoa, é porque "escreveu" com o poeta e se sente também um pouco dono daquele poema. Mas pode acreditar: seja lá como for, gosto muito de tudo que você escreve, e não estou sozinha. Beijo.

over the rainbow disse...

gostaria que visitasse um espaço, http://spmultidao.nafoto.net/index.html . parábens pelo poema

Adair Carvalhais Júnior disse...

Você está certa, Adelaide
E que bom que você está por perto.

Over the rainbow: vou lá sim.
Obrigado pelo poema