12/04/2008

inventário

recolher do solo antes
que apodreçam puro
silêncio apenas


ossos
recolher


das estrelas


e da lua a luz
úmida dos seus
olhos do


lago a serenidade antes
que anoiteçam


pesadelos do


seu corpo o
sal antes
que sequem todos


os
mares



Adair Carvalhais Júnior

8 comentários:

Pavitra disse...


maravilhoso!!!

hoje, se eu tivesse que escolher um e dizer qual é meu favorito, diria que é esse!

lindo!!

Adair Carvalhais Júnior disse...

Mesmo ?
Este poema me deu um trabalhão. Mas, pelo tanto que admiro da sua poesia, parece que valeu a pena ! :-)

Obrigado por sua presença constante por aqui.

Mariana disse...

é mesmo lindo, poeta.

Adair Carvalhais Júnior disse...

'brigado Nana.

Bruna Mitrano disse...

Nossa! Intenso e diz o essencial, sem exageros (como haicais). Preciso concordar com os outros dois comentários: lindo!

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado, Bruna, pela visita e pelo comentário.

Bom que vc gostou.

Bee-a disse...

beber em ti
todo sentir que se esvai?

Adair Carvalhais Júnior disse...

Multiplicar o sentir: não se esvair.