12/11/2008

sexta-feira

o apartamento mais
uma vez vazio silêncio e
poeira nos
móveis

nenhuma voz nenhuma
carta vizinhos cada
vez mais
longe

neste dia sem
sentido interminável
noite somente a
certeza

de seu
sorriso faz
me suportar




Adair Carvalhais Júnior

6 comentários:

Amélia disse...

A CERTEZA DE UM SORRISO...quase apetecia dizer- e um sorriso de que se tem a certza não darápara uma vida interira? -parafraseando o final de Noites Brancas...Como sempre: gosto dos teus poemas.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Os sorrisos não duram a vida inteira mas eternizam momentos fugazes, Amélia. E nos fazem suportar.

Obrigado por sua presença sempre gentil.

Bee-a disse...

um intervalo na solidão.

lindo!

Pavitra disse...


hoje é sexta!
posso pegar emprestado esse poema? :)

Adair Carvalhais Júnior disse...

Um intervalo doído.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Clara que sim, Pavitra.
(como hj é sábado, espero que já tenha tomado emprestado )