3/11/2009

vespertino

quando aproximam teus
olhos estremece meu
firmamento se

desliza tua
pele ressoam meus
vazios

se invento teus
cabelos desnudam se minhas
mãos quando

tateiam teus
cheiros arruínam se meus
solos

e se toco teus lábios a paz
abandona
totalmente
meu corpo


a beleza é

terrível



Adair Carvalhais Jr.

2 comentários:

ParadoXos disse...

"a beleza é terrivel"
e este poema é... de uma finura bela!

abraço!

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado, pela visita e pelo comentário.

Gde abraço