5/19/2013

moldura




                  
                            pois se espraiam
                            insistentes as ondas
                            sobre as areias
                            finas

                            uma tênue cobertura
                            líquida

                            como teus cabelos
                            na face rugosa
                            da minha
                            memória

                            perdendo se no absoluto
                            nada que esvazia
                            os dias



 Adair Carvalhais Júnior



6 comentários:

Anônimo disse...

Como sempre seus poemas me agradam, BIJO

Saudade

Malmal

Verso Aberto disse...


nem toda moldura sonha paisagem
às vezes ela é

abs

Adair Carvalhais Júnior disse...

Saudade de você, Mal.
Apareça.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Sim Verso, toda paisagem vai de moldura.

abços

dade amorim disse...

Gosto muito de seus versos, Adair.

Abraço.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Que bom Dade. E que bom você estar por aqui.

Obrigado