11/25/2011

poente


onde o rio mistura
suas águas ao
mar uma
brecha

o tênue tempo entre
o abrir e fechar
dos olhos na
vigília enquanto

as sombras se dispersam

a trilha que se escondeu
atrás do morro reaparece
na aurora



Adair Carvalhais Júnior
Foto e poema

8 comentários:

Amélia disse...

Belíssimo, como sempre.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado, minha amiga.

Carlos Alberto Roldán disse...

Delicadísima poesía, amigo. Mi abrazo desde el sur...

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado Carlos. Fico feliz que tenha gostado.

Um abraço e volte sempre.

Verso Aberto disse...

olho para a triste linha verde dos canaviais estendida no horizonte daqui...

realmente prefiro o desafio de meus belos montes mineiros que seu poema poente presenteia neste tarde de domingo

abração mano

Adair Carvalhais Júnior disse...

Eu sempre prefiro, meu caro, já viciei.

Grande abraço

Mari Amorim disse...

Imagem,poema,poeta,perfeição!
Boas energias!
Mari

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado Mari.
Seja sempre bem vinda.