6/21/2012

rumo




                            do outro lado
                            da praça corre
                            um rio
                            sem fim

                            quando se enche inunda deságua
                            e arrasta as crianças
                           
                            que voltam dias
                            depois tomadas de lama

                            com uma alegria
                            vadia nos
                            olhos


                            uma grama mansa
                            cobre as montanhas
                            até a margem
                            do rio

                            feito a pele
                            do solo abriga
                            os passos os desvios
                  
                            desenha horizontes

                            por onde as crianças
                            vadiam
                            sem fim



Adair Carvalhais Júnior
Foto: Júlia Jardim

7 comentários:

Lara Amaral disse...

Belo, Adair!
Sua poesia é uma delicadeza para nossos olhos.

Beijo.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado, Lara. É bom saber disto.

beijo.

Verso Aberto disse...

é viver em poesia
ter esta alegria vadia

belo poema Adair

abs mano

Adair Carvalhais Júnior disse...

Solto pelos rios e ventos, meu caro.

Malmal mal disse...

achei doce, meio bucólico e sempre belo...


beijok

Adair Carvalhais Júnior disse...

Um pouco de tudo, né Malmal ?

um beijo prá vc.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Um pouco de tudo, né Malmal ?

um beijo prá vc.