8/22/2012

fresta


                     

                            a leve luz da
                            lua onde a noite se
                            desdobra

                            pela cama pelos
                            livros sobre quase
                            todas as coisas
                           
                            o azul oscilante
                            do mar onde as
                            rochas quase
                            se tocam

                            e se infiltra
                            a longínqua
                            solidão

                            pelos olhos semi
                            cerrados escorre estreito
                            fio d água

                            e se filtra
                            na pele da
                            manhã

10 comentários:

Leonardo B. disse...


[a sombra que acorda com o corpo

como se fora o dia derradeiro;
o primeiro.]

um imenso abraço,

Leonardo B.

Adair Carvalhais Júnior disse...

Um poema ganha
um poema

Obrigado Leonardo.

gde abraço

Verso Aberto disse...

Adair meu caro
mandando sempre muito bem

a poesia se infiltra
filtra a vida
fio de vida

abração

Adair Carvalhais Júnior disse...

É isto meu caro, a poesia se infiltra onde menos se espera.

gde abraço e obrigado pela visita.

Lucielle Wiermann disse...

lindo!
tanto aqui
ou lá no
tertúlia,
ecoa beleza !

Adair Carvalhais Júnior disse...

Que bom que vc gostou, Lucielle.
Espero que continue prestigiando meu trabalho.

um abraço

Guilherme Almar disse...

que beleza de poema!!

Abs
-Guilherme

Adair Carvalhais Júnior disse...

Obrigado Guilherme.

Espero que continue prestigiando meu trabalho.

Gde abraço

Wilson Torres Nanini disse...

Adair,

"rochas", "estreito fio d água", que formas mais nos compõem? Você responde em cheio quando chega a manhã.

Abraços!

Adair Carvalhais Júnior disse...

Pois é, Wilson, me sinto feito de tudo do mundo: mais das áuas, das pedras e das árvores.